Lays Ramires - 09 de Agosto


09 de Agosto de 2021


O momento inicial do nosso dia se deu de modo à retomar as práticas corporais que tiveram início no encontro anterior. Portanto, começamos numa movimentação de soltura que ao mesmo tempo em que ativava nossa musculatura e articulações, também nos levava a um estado de presença. Uma condução energética ao aqui-agora. É primordial ao trabalho artístico essa inteireza. Como atriz e também produtora, exercito de forma muito intensa essa migração energética, para que eu possa me sentir mais segura e potente para descobrir e redescobrir o mundo que habito.


O foco da preparação física de hoje foi a expansão. Há a necessidade de abertura de espaços internos, dando atenção as costelas, omoplatas, ombros e coluna. Todas as práticas de alongamento estruturavam essa busca. Sem deslocar uma determinada articulação, procurávamos ativar a musculatura de moda a nos dar espaçamento interno entre os órgãos. A respiração tem papel fundamental nesse processo de soltura/abertura, possibilitando que se ganhe cada vez mais espaço durante a inspiração.


Durante a preparação fica evidenciada a necessidade de fortalecimento da região do core, ativando e potencializando nossa musculatura abdominal. É essência a ativação desse nosso centro de força. Sinto uma grande dificuldade nessa fase, onde não há a relação de impulso, apenas a ativação dessa região, de modo que a lombar não seja prejudicada.


A respiração norteadora de toda a prática tem sua potência evidenciada também no trabalho vocal, onde pudemos retomar as canções criadas no ensaio anterior. Neste momento somos estimulados à prática consciente de diferentes timbres, volumes e harmonias. Bem como a sustentação e a projeção.


A fase final do encontro dá-se com a descoberta de uma nova canção, para ser trabalhada em coletivo e já voltada ao espetáculo.


Nestes momentos, devemos colocar em prática tudo o que foi trabalhado anteriormente e abrir nossos sentidos, buscando a harmoniza, agindo de forma consciente e ativa.